Translate

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

a vida regressa

E nas aldeias tudo renasce de novo.
Depois da Primavera ter chegado, de o fervor  do Verão ter abalado e até mesmo as árvores migratórias deixarem o campo, a aldeia volta a encher-se de frenesim com a chegada das vindimas.
Tractores para cima, ora para baixo. Ora cheios de uva, ora pessoas para trabalhar, de pés pintados de cor de vinho por terem pisado as uvas.
Pessoas que não falam a nossa língua, vêm para cá de "All-star", "Vans" e outras marcas que nem sei escrever. Sentem-se felizes por aprender, o que nós aqui da aldeia, já nascemos a saber fazer.
E eu cá nasci, por cá continuarei a viver, o sobre o muro da minha podre casa continuarei a ver os estrangeiros a chegar, a partir, a gostar de fazer algo que eu não posso fazer para além de conhecer a euforia em que entra a minha querida aldeia longe da globalização.
Mas nem sempre assim foi.

My Next Book

And I'll write this in my next book:

sábado, 22 de setembro de 2012

rumo do destino


Porque meu grande sonho é escrever e viver em cada esquina de cada mundo que com minhas palavras descrever.
Porque eu vou estar sempre ao teu lado, mesmo quando já não poder estar mais… Posso deixar de estar apaixonada por ti, mas sempre te vou amar. Se um dia o amor do presente não for suficiente, o do passado vai-me segurar perto de ti…
Eu serei famosa (nem que seja por meras cinco pessoas) pelas minhas palavras e serei lembrada, quando não pisar mais este solo, por uma estátua e pelas crianças de iram preferir a minha escrita às que são obrigadas a ler na escola, mas tu serás eternamente relembrado por sentares-te ao meu lado e em frente ao piano nas maiores salas da Europa.
Os homens faram fila para te ouvir tocar… nem que seja apenas meras cinco pessoas a disputar pelas cadeiras da nossa sala de estar. Qual é a diferença se formos felizes com aquilo que temos?
O meu objectivo é o nobel… mas se não o conseguir, fico com a felicidade de quem se delicia a ler aquilo que eu escrevo. Se não for conhecida por todos, fico feliz por ser conhecida por alguns como alguém eternamente apaixonada pelas palavras que, por vezes mal, gosto de escrever.
Se um dia a miséria da pobreza cair sobre os meus ombros e não poder mais escrever da forma como gosto, nem que seja nas paredes das casas escreverei a história que me surgir e contarei às crianças as que decidir inventar naquele mesmo momento.
Se um luxo aparecer, não terá sido porque fiz como todos os outros, será por mérito próprio e não por roubar de forma legal. Se encontrar o luxo foi porque todo o mundo encontrou as minhas palavras traduzidas na sua língua e adorará dizer aos amigos para a ler.

sábado, 15 de setembro de 2012

Histórias

Quem me dera trocar os dias pelas noites.
Pois passo-as a pensar
Das histórias maravilhosas que tenho para contar.
Nas histórias dos assoites
Que a vida nos dá!

Seria tudo tão diferente em minha mente...
Mas o que se esconde no pensamento será?
A história de uma gente completamente diferente,
A cada página que está para vir.
Um história para chorar. Uma história para sorrir.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

inspirada numa"branca" de escritor


Eu perdi o direito de te tocar, nem que fosse com uma única só mão. Não me deixas voltar a entrar o teu mundo mas ambos sabemos que fui eu que o criei e sabes que sem mim não terás futuro… se somos parte um do outro, porque não me deixas desenhar os contornos do teu rosto com as letras do meu dicionário?
De que sou eu feita para ser merecedora da desfeita de não me deixares entrar no mundo em que tu vives e eu inventei?