Translate

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Como se nada se passasse vejo, só por ver, a chuva miudinha a cair no meu capote. A estúpida chuva tenta passar entre as linhas, as peles, a compaixão... Mas nada entra!
Devo avisar, nem mesmo as flechas mais aguçadas vão perfurar a carne que me eleva.
Nem as espadas mais afiadas vão conseguir cortar os ossos que eu tanto protejo!
Elevei estas pedras de lava escaldante e nada as vai derramar, nem arrefecer. Porque agora até o passado fica ali, além… Onde não vive mais ninguém!
Só é pena ter elevado estas pedras tão tarde, porque algo conseguiu entrar cá para dentro enquanto as erguia. As ratazanas, que trazem no sangue a água benta, estão cá dentro, mas eu tento mata-las a todo o custo! Elas vão morrer todas! Nada me vai impedir de viver neste paraíso para o qual lutei, nem mesmo as malvadas criaturas que cá vivem comigo.

E quando essas malditas ratas desaparecerem eu posso finalmente ser feliz, naquele meu mundo que eu já não visito há muito tempo… Jano, Raquel, Alice, Samanta, Catarina, Eduardo, Isaac, Amadeu, Sofi, Mariana, Gosthaf, Olavo, Hasti (a deusa demoníaca)… E TANTOS OUTROS! Eu sinto a vossa falta… Mas brevemente eu volto! Eu volto para os braços da magia que a mente tanto teima em transformar em realidade!

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Condecorações

O estado português condecorou o Cristiano Ronaldo por nunca ter feito mais nada na vida do que dar pontapés numa bola e deixou Aristides de Sousa Mendes morrer na miséria! Este senhor, Aristides de Sousa Mendes Salvou 3000 judeus dando-lhes permissão para entreterem em Portugal (pais neutro durante a 2ª guerra mundial), assinou todos estes passaportes sem autorização de Oliveira de Salazar e como sanção foram-lhe retirados todos os bens, foi deixado na miséria. Viu a sua  mulher morrer porque não a deixaram entrar num hospital, e até esse momento só conseguiram comer porque os judeus que ele salvou, ajudaram-no.
Não merecia este homem estar no Panteão Nacional? Não merecia todas as comemorações que existem em Portugal?
Ele hoje em dia já está morto, mas tenho a certeza que os filhos dele (que estão tentar canoniza-lo, se não estou em erro) ficariam muito felizes por finalmente o estado português de alguma forma pedir desculpa pelo que fez.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

amor e paixão

Decorado com missangas bonitas,
Oh, mas que coisinhas mais coloridas.
São de mil cores os corações,
Coloridos por nossas emoções.

Essa coisinha tão preciosa,

Que guardamos como só nossa,
É a única coisa que nunca poderemos evitar,
E isso escreve-se com todo o verbo amar…

É dar um pedacinho de nós a toda a hora.
Um pedacinho de amor e paixão.
Um pedacinho doce como a amora.

É um pedacinho que enche todo o coração.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Livre Serei

Sou um pássaro preso numa gaiola. Eu cantava… Mas não canto mais! Eu cantava porque pensava que a gaiola me protegia e assim era feliz, o que é melhor de que estar em segurança? Mas agora apercebi-me que a gaiola não tem uma porta por onde eu posso sair e entrar. Eu vivo numa gaiola com paredes de tijolo e betão. Vivo numa gaiola confortável, mas isso não muda o facto de eu não poder ser livre… Eu nunca vou puder ser livre, mas penso em fugir, arranjarei maneira de deitar a minha gaiola a baixo e voar livremente.

Porque eu serei livre! Não há nada mais importante do que a liberdade de ser feliz com quem se ama… Não tenho problemas de fazer o que quer que seja para poder ser livre, mesmo que isso signifique que não volte a ver quem vive nesta gaiola comigo!

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Uma Mente Cheia

Eu vivo para amar um ser que não me ama a mim. Vivo para ser nada que este mundo conheça. Perco-me nos bosques e vales do teu corpo. Perco-me nas entranhas de mim como se fosse uma semente dentro da terra.
Mas eu sou feliz! Sou feliz por não ser um mero humano. O que eu sou é uma linha cor-de-rosa que passeia pelo mundo dentro da minha mente.
Esse mundo é feito de histórias tão fantásticas como os deuses ou as fadas… A minha mente recheada de pó de fada e brilho não vê o mal nos olhos do outro, porque pensa que esse outro vive numa mente como a minha. Mas ninguém vive num sítio tão cor-de-rosa e com pó de asinhas pequeninas que voam de um lado para o outro dentro de mim. Por baixo da minha pele existe uma camada de musgo verde que protege estes seres do mundo exterior. Um dia, quando eu morrer, não os poderei defender mais, o que acontecerá a esses meus seres em quem já ninguém acredita?


É engraçado que isto é o que eu vejo dentro de mim, mas por fora, sou um ser cinzento entre outros 7 biliões iguais a mim.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

AMOR

 Existem histórias distintas de amor e amar... Amores ardentes fulminantes, histórias de uma só noite partilha de amor juntamente com prazer e existem histórias de um amar e todo um sentimento partilhado entre dois seres amantes.

Nestes dois diferentes significados existem futuros trocados, afinal, queremos nós amor ou amar?
Talvez não queiramos nada como seres indecisos que necessitam de aprender um tribulhão de coisas para apenas colocar uma semente no interior do terreno argiloso proveniente da meteorização e erosão das rochas magmáticas,  metamórficas e sedimentares... E para quê saber tudo isso se tudo o que na verdade procuramos é "o amor existe para lá da morte?" pelo caminho encontramos tantas outras respostas a perguntas que não fizemos mas aceitamos essas respostas como conhecimento, desconhecendo se esta definição de conhecimento platónica que conhecemos têm condições necessária e/ou suficientes... Usamos pretéritos prefeitos para amores passados imperfeitos e interjeições de dor ao recordar o passado brilhante que vivemos ao lado desse amado.

E com todo este meu discurso metafórico e com carácter alcalino-terroso apenas deveriam daqui estar as palavras "eu amar tu" porque o resto são apêndices de informações que foram encontradas para a evolução do conhecimento para hoje termos que saber tanta coisa mas não sabermos o mais importante

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Mil e Uma Lágrimas


Mil e uma lágrimas derramadas sobre panos secos de compaixão…
Tanto riacho de amor desperdiçado em pessoas sem coração…
Mas amar não é apenas isso de começar e acabar!
Amar é tanta coisa! Que ficaria noites para descrever
O que amar na realidade deveria dizer!
Bonita palavra, transmitida por gerações, essa do verbo amar.
“Eu amo-te” parece tão pouco quando não tem significado nenhum.
Mas até para quem ama, é pouco para explicar o sentimento numero um.
Não deveria ser as musicas tristes a fazer-te lacrimejar,
Nem as alegres a conseguir fazer-te sorrir.
Devia ser aquela parte somente de ti
Que sentes quando não sabes mais porquê chorar.
É essa mesma parte que ensina aquilo que se nasce a saber,
Aquilo que um simples beijo ou verdadeiro carinho, sabe te dizer.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Anda Meio Mundo Enganado

Está mais que certo,
Do que coisa sem rumo certo.
Está mais que provado,
Do que coisa que não precisa de prova.
Anda meio mundo enganado,
E vai levar esse engano para a cova!

Não precisamos de mais ninguém,
Do que de nós!
Mas precisamos de pessoas para ter voz!
Porque o mundo não sabe que alguém
Pode crescer ao se tornar num conto
E realizar o meu sonho.


Porque o mundo não sabe nada!
Nem sequer tem uma única palavra
Para amor! O que têm mais importância
Do que essa palavra ou a infância?

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Um Mundo ao Contrário

Vivo num mundo ao contrário.
Muito diferente do teu mundo ordinário!
Vivo no sítio onde o chão é o céu,
E nos casamentos, o noivo vai de véu!

Vivo onde as cores da pele são seis:
Roxo, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho.
Não existem presidentes, nem reis,
E ninguém rouba o que é alheio.

Plantamos árvores, invés de as cortar.
Salvamos o mundo, invés de o matar.
A gravidade só existe nos corações,
E o dinheiro nada vale perante as emoções.

O meu mundo é quase prefeito,
Só tem um pequeno defeito.
Que é não ser de verdade!
Mas pode vir a ser, quem sabe?

Este foi o segundo poema que envie para concorrer à antologia "Mundo da Lua". (Ainda hoje não sei qual dos poemas foi selecionado porque ainda não tive oportunidade financeira para comprar o livro, mas penso que tenha sido o outro poema (o que postei ontem) que ganhou). Este poema é dedicado à minha irmã mais velha...

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O Mundo da Lua

Sento-me no chão frio a ver-te sonhar.
Em tempos sonhei com uma felicidade como a tua,
Mas aprendi que um dia tinha de acordar.
Como o sol é triste e revestido de dor nua!

Sinto tudo o que não quero que sintas.
Quero que não acordes, mas nem a dormir ficas!
Quero proteger-te do que já conheci!
Sinto tudo isto, e sinto-o por ti.

Menina de cabelos negros,
Porque não ouves os meus apelos?
Continua a acreditar.
Um dia verás o que estou a falar…          
Menina minha irmã,
Sonha até que seja de manhã…


Este poema está presente na antologia "O Mundo da Lua" e é dedicado à minha irmã mais nova.
Publiquei-o agora a pedido do meu mais recente seguidor.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Bulling e Desporporcionalidade

Jovem vinga-se dos colegas por ser vitima de bulling -> 2 anos preso
Adulto mata 2 pessoas e fere onze durante um atropelamento -> pena suspensa
Que é esta merda? (peço desculpa pelo palavrão!)

Eu também já fui vitima de bulling e sempre me defendi. Quando me faziam alguma coisa eu batia nas pessoas que se metiam comigo, se eu não ganha-se a "guerra" arranjava um esquema para fazer a outra pessoa sofrer.
Eu lembro-me que uma vez levei uma corda para usar como chicote (e usei-a para esse fim)!
Só tenho a dizer que o jovem que tentou vingar-se dos colegas foi muito corajoso e forte! Pois ele enfrentou quem lhe faziam mal em vez de se matar...
O jovem tem de ser castigado, mas eu acho que quem gozou com ele também deveria ter um grande castigo porque foram eles que o levaram a fazer esta loucura.
Quanto ao outro caso que comentei inicialmente, é só para verem a diferenças das "justiças" dependendo do "dinheiro".

Deixo-vos o link das notícias caso ainda não tenha ouvido falar delas: