Translate

domingo, 13 de julho de 2014

Fantasma do meu amor

Ele passava as noites a fazer festas ao meu cabelo e a sussurrar “não te apaixones por mim”, mas como era possível isso não acontecer, se o seu toque era tão mágico? Mesmo sem sentir nada, sabia que ele passava as noites abraçado a mim.
A cama estava sempre quente demais para ser apenas uma pessoa a dormir nela. Ele escolhia a roupa que eu iria vestir com aquele seu toque de magia que colocava tudo a flutuar. Só não caminhávamos de mão dada na rua, porque as pessoas achariam estranho que eu desse a mão ao vento, bem, elas viam o vento, eu via-o.
Quando por fim a época escolar chegou, estava irremediavelmente apaixonada.
Houve uma noite em que ele voltou a afogar-me o cabelo, a sussurrar ao meu ouvido, não resisti em dizer-lhe o quanto o amava. Tive mesmo que o dizer!
- Estou farta de te ouvir todas as noites para não me apaixonar por ti, mas foi inevitável, quando me sussurras aos ouvidos, quando me acaricias as faces, quando as beijas, quando fazes o que fazes... Eu apreciei cada momento. Chorei sempre que não estavas aqui! Não percebo o que fazes longe de mim, mas isso dói! E hoje posso dizer que estou apaixonada por ti! Amo-te! Percebes?
Pequenas lágrimas escorreram-me da cara e ele limpou-as com um beijo em cada uma das minhas faces, no lugar dos beijos colocou as mãos e disse baixinho:
- Não vais voltar a chorar. Acredita que eu vou voltar! Mesmo que nunca volte... Agora tenho uma coisa para te dizer. Eu conheço-te desde o dia em que nasceste, nasceste destinada a mim, mas proibida de me amar! Foi um risco, deitar-me ao teu lado, passar estes dois meses contigo, cada dia que passava sabia que estavas mais apaixonada por mim, mas não te quis deixar, desculpa-me por ser egoísta! Eu também te amo, esse foi o maior erro que cometi em toda a minha vida…
Aplicou-me um longo beijo. Por fim, quando os nossos lábios de descolaram e separou as suas mãos da minha face, ele afastou-se os seus olhos brilhavam como estrelas, o seu sorriso era gigante e desfez-se em pó.
O meu quarto de mobília branca e paredes cor-de-rosa tornou-se no lugar mais triste da minha existência a partir desse dia a minha vida nunca mais foi a mesma.
Hoje em dia acordo e sinto a almoçada a que dormi agarrada estar quente, não abro os olhos, ver a realidade doí! Mesmo muito! Imagino-te aqui… ao meu lado como se fosses real. Percorro os dedos pelo teu rosto e encontro os teus lábios no escuro do meu quarto. Beijo-os ferozmente porque pode ser o último dia que os consigo imaginar… mesmo que seja apenas dessa forma de os ter, tenho medo de os perder para sempre, eu aprendi que para sempre é muito tempo para uma rapariga como eu conseguir aguentar. Afago-lhe o cabelo castanho com uma das minhas mãos e abro os olhos.
Todos os dias deixarei cair pequenas lágrimas dos meus olhos, mas tu não gostarias de as ver, tenho a certeza disso, mas que posso eu fazer? Não as controlo!
Depois é só imaginar o resto do dia como se tu fosses um dos meus colegas, beijando-me a face e os lábios, de vez em quando. Sorrindo sempre que vê os meus olhos brilharem por te ver.

Todas as tardes, vou para o meu armário chorar e no fim de libertar toda a minha fúria, imagino que me secas as lágrimas e abraças-me. Seguidamente, recordo-me de tudo o que fizemos justos, isso faz-me sorrir durante alguns minutos. Mesmo que mais cedo ou mais tarde volte a chorar.

sábado, 5 de julho de 2014

Vamos Viver Livres

Vamos viver livres… Porque não há nada mais importante do que a liberdade!
Mas não vamos ser livres em fotografias com os cabelos ao vento… Nem com cartazes a manifestarmo-nos… Vamos ser livres ao atravessar fronteiras sem passaporte, porque o mundo é de todos e ninguém me pode dizer que não posso ir a um certo sitio porque não tenho um certo papel! Vamos ser livres ao deixarmos de ter um governo/democracia o que quer que nos possa impor regras! Se alguém matar um de nós, matamos o outro; se nos roubarem, vamos buscar o que é nosso; se fizerem mal à geração que vamos criar, vingamo-nos!
Será que por vivermos assim vamos transformar tudo numa selva? Talvez já exista uma!  Há há uma grande vantagem em que tudo se torne uma selva assumida, não irão haver grandes a comer os pequenos porque todos teremos o mesmo objetivo: PÃO. E todos teremos o mesmo desejo: JUSTIÇA. E acima de tudo seremos todos capazes de PENSAR!

Vamos ser livres! Que viver assim não é para ninguém! Vamos ser livres! Porque não vivemos para sempre!